0

Sono

Posted by jodelson on 30/11/2015 in Década de 1980 |

Sumo no sumo sumo…   No sumo máximo, essência, calda, do sono   Somo meu sono ao sumo que em resumo some com meus reflexos   Sumo, desapareço, perco o endereço, porque o sono soma seus rumos a outros rumos mais sumos e complexos   Sonho, mas não no sono porque nós somos nos sonos gomos sem sumos, […]

2

Pedido do tempo

Posted by jodelson on 04/01/2015 in Década de 1980 |

O tempo pediu Que não fossem desprezíveis as manhãs…   Que os dias passados Fossem lembrados Mas não como um ponto escuro Um sentimento Perpétuo Persistentes Que absorve o futuro…   Que as estrelas Não fossem Apenas Planetas frios, Pequenos pontos piscantes… Que houvesse entre elas Coisas mais belas E menos distantes…   Que cada […]

0

Deus

Posted by jodelson on 04/01/2015 in Década de 1980 |

Místico de força Movimento e Energia Que na primazia de um ato fez as coisas serem   Princípio da existência, Palavra que desintegra todos os complexos conceitos que encerram os milagres da criação …   Algo que só o espírito, o pensamento, a poesia e a filosofia explicaria   A força da existência, que se […]

0

(verde)

Posted by jodelson on 01/10/2012 in Década de 1980 |

Deixa eu ver-te verde mar Deixa eu ver, te ver de verde Deixa eu ver o verde De esmeralda E a melodia das praias da Bahia Deixa eu te ver verde lindo De brilhos encantadores de amores que vem vindo. Deixa eu ver, sentir no verde a força do turbilhão que movo e contemplar na […]

0

A menina (ou a guitarra)

Posted by jodelson on 01/10/2012 in Década de 1980 |

Veja os olhos grandes, verdes da menina. A menina olha pra cima, fecha os olhos e toca a guitarra… Ninguém sabe no que vai dar aquele solo!… Naquele acorde há mais que um som. As cordas vibram e vibra o espírito, enquanto a mente para de pensar nas coisas usuais e sai varrendo louca um […]

0

Já que se varre até o dia

Posted by jodelson on 01/10/2012 in Década de 1980 |

De manhã cedo ela acordava, Abria a janela, e via as cores vivas e o sol daquele dia. Se levantava, pegava uma vassoura e varria, varria, varria e assim ficava durante todo o dia… varria tudo que podia varria, até, talvez, sua alegria abrindo mão do sol daquele dia. Enquanto isso ele acordava, abria a […]

0

Desafio

Posted by jodelson on 21/11/2010 in Década de 1980 |

Toca Toca a flauta E toca o corpo Da mulher que é sua amada E toca a flor que desabrocha no penhasco da emoção Que vive em cada coração * Toca Toca a arpa E toca a luz De cada noite enluarada Tocando a luz que desabrocha No nascer da madrugada E toca a voz […]

0

De matemático para matemáticos

Posted by jodelson on 20/11/2010 in Década de 1980 |

Se você tem fé, Vamos! Experimenta e Espere menta. Mas cuidado! Que o mundo é imprevisível E a menta pode não vir doce E seu gosto pode vir irracional E a menta Pode vir pi-vezes-menta E a menta Pode vir pimenta.

0

O belo velho invisível

Posted by jodelson on 20/11/2010 in Década de 1980 |

Não se diga, Que de onde brota a espiga só se aproveita o grão. Não se diga que o milho Perante o sol, com seu brilho, Não relampeja a visão. É passivo Que todo calor que é vivo Não vive só por ser útil, Não é fútil Se morre sem ser usado. O milho que […]

4

Ironia

Posted by jodelson on 20/11/2010 in Década de 1980 |

Odeio aquele que forja a estética E anseia por uma imagem poética Em uma rima sintética. Odeio o sorriso impuro E o sentimento escuro Do infeliz que cria Uma obra vazia, Uma estrutura fria, Farta de fantasia, Pobre de poesia. Odeio quem chama a rosa De fétida Só p’rá ter métrica. Odeia quem louva o […]

Copyright © 2010-2017 Poemas All rights reserved.
This site is using the Desk Mess Mirrored theme, v2.5, from BuyNowShop.com.