0

Sono

Posted by jodelson on 30/11/2015 in Década de 1980 |

Pai e bebê dormindo

Sumo no

sumo sumo…

 

No sumo máximo,

essência, calda,

do sono

 

Somo meu sono

ao sumo

que em resumo

some com meus reflexos

 

Sumo, desapareço,

perco o endereço,

porque o sono

soma seus rumos

a outros rumos mais sumos e complexos

 

Sonho,

mas não no sono

porque nós somos

nos sonos

gomos

sem sumos,

Sussurros sonsos,

sibilos tantos

que os cantos

somam aos sonos

 

Que sonos não somos

quando o sumo

dos sonos se assoma?

2

Pedido do tempo

Posted by jodelson on 04/01/2015 in Década de 1980 |

time photo

O tempo pediu

Que não fossem desprezíveis as manhãs…

 

Que os dias passados

Fossem lembrados

Mas não como um ponto escuro

Um sentimento

Perpétuo

Persistentes

Que absorve o futuro…

 

Que as estrelas

Não fossem

Apenas

Planetas frios,

Pequenos pontos piscantes…

Que houvesse entre elas

Coisas mais belas

E menos distantes…

 

Que cada lua trouxesse

Uma emoção mais jovem

Mais livre

Mais viva

E que os bons atos

Não fossem

Somente

Friamente

Mecanicamente

Plásticos frutos

De uma carência afetiva

 

O tempo pediu

Que não fossem

Tão inúteis as flores

Nem tão ridículos

Os amores

 

Que a formiga preta

Sobre a pedra

Iluminasse o deserto

Com uma luz

De magia

 

Até que viesse

 

O dia.

 

 

 

0

Deus

Posted by jodelson on 04/01/2015 in Década de 1980 |

Deus

Místico de força

Movimento e

Energia

Que na primazia

de um ato

fez as coisas serem

 

Princípio da existência,

Palavra que desintegra

todos os complexos

conceitos

que encerram

os milagres

da criação …

 

Algo que só o espírito,

o pensamento,

a poesia

e a filosofia

explicaria

 

A força da existência,

que se situa nas origens

e longe do alcance

dos conceitos

da razão

0

(verde)

Posted by jodelson on 01/10/2012 in Década de 1980 |

Deixa eu ver-te verde mar

Deixa eu ver, te ver de verde

Deixa eu ver o verde

De esmeralda

E a melodia

das praias da Bahia

Deixa eu te ver verde lindo

De brilhos encantadores

de amores

que vem vindo.

Deixa eu ver, sentir no verde

a força do turbilhão que movo

e contemplar na serra a grama

do verde novo

e vislumbrar na praia a chama

a fama

a terra

o chão moreno do Brasil

Meu povo!

0

A menina (ou a guitarra)

Posted by jodelson on 01/10/2012 in Década de 1980 |

Veja os olhos
grandes, verdes
da menina.

A menina
olha pra cima,
fecha os olhos
e toca
a guitarra…
Ninguém sabe
no que vai dar
aquele solo!…

Naquele acorde
há mais que um som.
As cordas vibram
e vibra o espírito,
enquanto a mente
para de pensar
nas coisas usuais
e sai varrendo louca
um livro grosso
repleto de páginas
de sonho…

A menina
olha pra cima,
fecha os olhos
e toca
a guitarra…
Ela mostra
em cada parte
a arte
que aprendeu.

Não se sabe
se ela sabe
tocar
em seus amantes
com o mesmo estilo
com que toca
a guitarra…

Mas isso é coisa pra depois.
Depois do show,
depois do sonho,
depois que ela guardar

a guitarra.

0

Já que se varre até o dia

Posted by jodelson on 01/10/2012 in Década de 1980 |

De manhã cedo
ela acordava,
Abria a janela,
e via
as cores vivas e o sol
daquele dia.
Se levantava,
pegava uma vassoura
e varria, varria, varria
e assim ficava
durante todo o dia…
varria tudo que podia
varria, até, talvez, sua alegria
abrindo mão do sol daquele dia.

Enquanto isso ele acordava,
abria a janela e sorria.
Se sensibilizava com as cores
de verão
daquele dia.
Pensava em trabalhar,
mas desistia.
Ia para a praia só,
sem companhia.
Procurava um cantinho
e lá sentava
e lá ficava
e refletia.
“E ela? Aonde estaria?”
Não sabia…
“Se convidasse,
será que ele viria? …

ou preferiria

ficar em casa
varrendo aquele dia?”

Nota do autor: "varrendo aquele dia", além do significado literal aqui significa também "jogando fora aquele dia, eliminando (a oportunidade de desfrutar) aquele dia"

 

1

Letra sem melodia, pra Titia

Posted by jodelson on 01/10/2012 in Década de 2010 |

 

Quando ela ensina

fascina.

Traz no seu ofício

paixão.

Sabe responder

a questão.

Traz nos dedos hábeis,

anéis.

Faz dos seus alunos

fiéis.

Leva em seu sorriso

incentivo.

E com dicas poucas

e roucas,

Fala do estacato

ao novato.

 

Quando ela diz

ao aprendiz

Sobre seu passado

guardado:

Vida bem vivida

corrida!

Autobiografia,

poesia.

Goiabada, queijos

e arpejos

São os seus confessos

desejos.

 

Quando ela toca

encanta.

Mostra habilidade

que é tanta.

Sua mão esquerda

pontua

Com acordes puros

seguros.

Sua mão direita

flutua

Com uma leveza

de alteza.

Desse som que ela

produz,

E muitos ouvidos

seduz,

Desta melodia

poesia,

Deste som não toco,

não toco.

Deste som colosso,

só ouço.

0

Desafio

Posted by jodelson on 21/11/2010 in Década de 1980 |

Toca

Toca a flauta

E toca o corpo

Da mulher que é sua amada

E toca a flor que desabrocha

no penhasco da emoção

Que vive em cada coração

*

Toca

Toca a arpa

E toca a luz

De cada noite enluarada

Tocando a luz que desabrocha

No nascer da madrugada

E toca a voz angustiada

Que encerra essa emoção

*

Toca

E toca a cor

Da dor da mente

E toca a estrela cadente

Que desperta adormecida

De um repouso de cem vidas

Que galgou o fim do mundo

E voltou em um segundo

P’ra cair na sua mão

*

Toca

Toca forte o violino

E toca a mão deste menino

E toca o mar e o turbilhão

E toca as trancas do alçapão

Que leva ao chão

Quente e profundo

E aos mistérios deste mundo

Que se encerram na canção

0

De matemático para matemáticos

Posted by jodelson on 20/11/2010 in Década de 1980 |

Se você tem fé,

Vamos!

Experimenta e

Espere menta.

Mas cuidado!

Que o mundo é imprevisível

E a menta pode não vir doce

E seu gosto pode vir irracional

E a menta

Pode vir pi-vezes-menta

E a menta

Pode vir pimenta.

0

O belo velho invisível

Posted by jodelson on 20/11/2010 in Década de 1980 |

Não se diga,

Que de onde brota a espiga

só se aproveita o grão.

Não se diga que o milho

Perante o sol, com seu brilho,

Não relampeja a visão.

É passivo

Que todo calor que é vivo

Não vive só por ser útil,

Não é fútil

Se morre sem ser usado.

O milho que seca ao sol

Por não ter sido colhido,

Mesmo esquálido,

sórdido,

Não se resume a ser mórbido

Se ele se acha seco

É por ter de todo se dado

E seu turgor transformado

Em beleza

P’ra compor a natureza.

Copyright © 2010-2017 Poemas All rights reserved.
This site is using the Desk Mess Mirrored theme, v2.5, from BuyNowShop.com.